História do Município

Histórico:
Por volta do ano de 1.890, Antônio Pereira e família, comparam 4.420 alqueires de terras, compreendidos entre o Rio Barra Grandes do Mato Grosso e o córrego fundo atual córrego Canjarana.

No ano de 1.914, Antônio Pereira dividiu a propriedade em duas partes, que são atualmente, as chamadas fazendas Barra Grande do Mato Grosso e Canjarana. Em 1.925, com a colonização das fazendas, surgiu a ideia da fundação de um povoado, e a 24 de junho do mesmo ano fundaram uma vila que a principio deram o nome de São João da Bela Vista, denominação esta, logo a seguir mudada para Brioso, nome que vigorou até 1.953, quando foi alterado para Gastão Vidigal. Foram fundadores da Vila Jorge de Oliveira Marques e João Pereira Dias.

Como o antigo povoado de Brioso era subordinado ao Distrito de Floreal, no município de Nhandeara, pleitearam também a sua elevação à categoria de Distrito de Paz, o que conseguiram pela LEI Nº. 233, DE 24 DE DEZEMBRO DE 1.948, posta a execução a 1º de janeiro de 1.949.

Dado o seu desenvolvimento, em 25 de janeiro de 1.953, foi realizada uma reunião para estudar a possibilidade de elevação do Distrito à categoria de Município e a 30 de Dezembro de 1.953, pela Lei nº. 2.456, foi o Distrito de Brioso elevado a Município, com o nome de GASTÃO VIDIGAL, na Comarca de Nhandeara, com sede na vila de igual nome (EX-BRIOSO) e com território do respectivo distrito. Foi instalado a 1º janeiro de 1.955.

Este Município foi constituído com os distritos de Gastão Vidigal e Nova Luzitânia.

Localização:
O Município de Gastão Vidigal está situado na zona fisiografia denominado "Pioneira". As coordenadas geográficas da sede são 20º46' de latitude Sul e 50º11' de longitude W. Gr., distando 550 Km em linha reta, da capital do Estado.

Altitude:
450 metros (Sede Municipal)

Clima:
Tropical sub-quente e sub-seco, com verões úmidos e invernos poucos pronunciado, mas seco; temperatura média de 24 graus.

Ventos:
Os ventos dominantes são no inverno do sul e no verão do nordeste.

Chuvas:
Com alta intensidade a partir de novembro, prolongando-se até o mês de março, sendo que entre setembro e novembro, entre março e maio também são chuvosos.
Cai por ano cerca de 1.200 mm de chuvas, com máximas ultrapassando 1.500 mm, e mínimas pouco inferiores a 1.000 mm.
Deve-se notar que o período de chuvas coincide com o verão máximo, criando condições e excepcionais para a vegetação.

Hidrografia:
O município é cortado por uma série de pequenos córregos, destacando-se o córrego do Adelino e córrego do Elói, que deságuam no córrego do Brioso, que por sua vez deságuam no córrego Matogrossinho ou Córrego Barra Grande, o qual irá se juntar ao Ribeirão Mato Grosso.

Relevo:
O município é constituído por terrenos não muito ondulados, com altitude sempre acima de 350 m, raramente ultrapassando 450 m.

Solo:
O solo do município é do tipo de arenito Bauru Arenoso, fortemente erosivo, classificado como solo Poszólico vermelho-amarelo, com fundos de vale recoberto de vegetação denominada cerrado, considerado de qualidade inferior e as terras mais altas de qualidade superior, estes últimos foram recobertos de matas tipo tropical.

Sistema Viário:
O município é atendido pela SP-310 asfaltada, mas que não corta o mesmo, ficando distante 10 Km da sede; pela SP-473 asfaltada que liga Nova Luzitânia a Floreal.

Sistema Demográfico:
Total da População: 3.863 – CENSO 2007

Taxa de Crescimento anual (-) 1,07

Censo Demográfico 2.000 (resultados Preliminares)

Sistema Econômico:
Gastão Vidigal, é um pequeno município, situado na região Oeste do estado de são Paulo, com área geográfica de 181 km² e uma população de aproximadamente 4.000 (quatro mil) habitantes, sendo grande parte imigrantes vindos das varias regiões distantes do país. Apesar dos mais de 30 anos de emancipação do município, sua infraestrutura, continua em fase de desenvolvimento e organização.

Com uma população carente localizando-se em sua grande maioria na zona urbana, o Vidigalense é um trabalhador rural dos municípios vizinhos, que sobrevive com uma renda familiar limitada ao mínimo, insuficiente para as necessidades básicas.

A economia do município voltada basicamente e agricultura e pecuária, encontramos a maioria da população trabalhando como Boia-fria, sem nenhum vinculo empregatício, sem nenhuma formação profissional e dependente desta única fonte de renda.

A situação, desta população, agrava-se na entressafra, onde as famílias desprovidas de recursos ou de qualquer reserva econômica, dependem da ajuda da Prefeitura Municipal e de benevolentes para amenizar, ou mesmo honrar compromissos inadiáveis, como (alugueis, gás, água, luz, alimentação, vestuário, remédios, etc...).

Somando-se aos boias-frias, encontramos também as donas de casas, aposentados, funcionários públicos, professores e os pequenos comerciantes que compõem o 353 municípios de Gastão Vidigal.

A invasão de outros costumes, através da musicas e programas televisivos, infuem basicamente nos jovens e na polulação de forma em geral, levando-os muitas vezes a deixarem a cidade em busca do desconhecido.


Vídeos

Contatos

  • Rua Vereador Gonçalves Ferreira, 582

    Gastão Vidigal - SP
  • Telefone:(17) 3848-1266
    camara@camaragastaovidigal.sp.gov.br